Terça-feira, 14 de Setembro de 2004

Direito de resposta.

Lamento profundamente a polémica relativa ao meu post anterior. Depois de ter visto os comentários relativos ao assunto lá exarado, fiquei com a sensação que a mensagem que eu quis transmitir não foi compreendida. O meu “machismo” deixa-me discernimento suficiente para afirmar o seguinte: todos nós de uma maneira ou de outra defendemos a vida. Não discuto quando ela começa e quando ela acaba. O assunto é demasiado delicado para ser tratado neste simples post.

Se me perguntarem se sou contra ou favor do aborto é obvio que tenho a minha opinião, mas ela baseia-se em causas e não na nossa realidade. Em primeiro lugar acho que o aborto deveria ser despenalizado, eu como homem tenho uma intervenção meramente básica e reprodutora. Desenganam-se os meus amigos que pensam o contrário, é claro que esse patamar é sobreposto a outros quando inseridos na sociedade em que vivemos. Esta particularidade redutora não nos tira a importância de sermos pais, somos, quando nos responsabilizamos, tanto na concepção, tanto como na educação dos filhos. Se por acaso a nossa classe política estivesse mais preocupada em educar do que em trazer à baila temas que eles sabem de antemão trazem fissuras no relacionamento entre as pessoas, teriam a coragem de admitir que o tema não tem discussão. Os mesmos que defendem a vida, os mesmos que defendem a não utilização de contraceptivos, deveriam fazer um exame de consciência relativamente à posição extremada que têm. Deveriam antes que tudo de garantir um futuro para aqueles que irão nascer e não uma quantidade enorme de dívidas e dúvidas sobre o que será a sua vida no amanhã. Como pai estou profundamente preocupado, a mãe dos meus filhos obviamente também. A concepção deles foi um acto pensado e reflectido, estavam em causa outros sentimentos também que obviamente pesaram no nascimento deles, mas isso não invalida de que se a determinado momento da sua gestação eu tivesse por exemplo de escolher entre a vida deles e a continuação da vida da mãe, julgo que seria desnecessário perguntar qual delas escolheria. Não estaria a fazer o papel de Deus, estaria apenas a optar entre ter uma mãe para os meus filhos ou ter um filho sem mãe. É aqui, que as opiniões divergem, eu sei, mas os do sexo masculino deveriam sempre, outra vez, de ter em conta que o aborto, quer queiramos quer não é um “problema” no feminino, elas é que deveriam dar a sua opinião. O acto em si é uma opção que nos podemos considerar certa ou errada, nada mais. O acto de legislar pertence aos políticos, gostaria que eles e alguns de opinião contrária, as deixassem a elas como pessoas responsáveis que são, que decidam o seu futuro e o direito de ter ou não ter filhos, que não nos tratem, a nós como futuros e actuais pais, e a elas como futuras e actuais mães, como objectos de uma disputa irracional e sem nexo. Nós sabemos o queremos, portanto temos o direito de as deixar optar. Elas sabem o que querem, deverão de ter o direito de optar. Não é por considerarmos que esse acto como um crime que deixará de se praticar.

No meu post anterior quis apenas atacar a classe política que desde os tempos da outra senhora nos trata como irresponsáveis, incultos, e pior ainda sem o direito a ter opinião. Infelizmente este é o quadro, tanto à direita como à esquerda que nos é apresentado. Não quero fazer disto um panfleto político mas este caso é só mais um para que as nossas atenções deixem de estar centradas no essencial.

Já se perguntaram qual vai ser o nosso futuro? Qual vai ser o futuro dos nossos filhos? Quem é que me manda a mim meter-me nestas discussões? Que pena vai ter o Bibi? O Ferro também é culpado? E o Pedroso? E o Benfica é desta que ganha o campeonato? Quanto é que ganha o Pinto da Costa? E o gestor da EDP? O que é que eu ganho com isto? O Binoc já conseguiu ter sexo? Sexo, o que é isso? Porque é que deram o nome de um gajo russo a um furacão? Afinal quem manda nos EUA? E no Iraque? Quem é que precisa de petróleo? Bush ou Kerry, qual dos ketchups é que escolhia?

“Sorry, this mission is aborted…, try another round…, game over...”

publicado por McClaymore às 13:57
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Anónimo a 19 de Setembro de 2004 às 01:40
Boa pergunta...
Será que o Binoc, já teve sexo?
Se calhar nem ele se lembra...lol
P.s: adorei o blog...elisa...
(http://oserintemporal.blogspot.com)
(mailto:elilopes@netcabo.pt)
De Anónimo a 17 de Setembro de 2004 às 22:09
digo o mesmo: welcome back! :)
e estou de acordo ctg... eu escrevi sobre o 11 de setembro e tenho lá comentarios que até parece que eu sou pró-EUA, qd afinal nao sou nem contra nem a favor antes pelo contrario lolololl, às vezes nao nos explicamos bem, ou as nossas ironias nao sao entendidas... sei lá!pandora
(http://http//pandora.blog.simplesnet.pt)
(mailto:pandora@simplesnet.pt)
De Anónimo a 15 de Setembro de 2004 às 10:31
Ás vezes somos uns incompreendidos...mas olha que relativamente ao aborto, não o defendo obviamente como meio anticoncepcional, porém sou completamente a favor do mesmo...pois mais vale tirar "um embrião" que ainda não sente nada do que trazer ao mundo uma criança indesejável e para maltratar como há por há tantas.....
Eu tenho dois filhos que amo mais que tudo na vida....tomo a pílula e se por um motivo qualquer engravidásse, não teria qualquer dúvida...abortava! Porquê? porque não tenho condições para ter mais nenhum e prefiro proporcionar uma boa vida aos dois que já tenho....do que uma vida mediocre aos três.....
Beijocasinconfidente
(http://inconfidencias.blogs.sapo.pt)
(mailto:inconfidencias@sapo.pt)
De Anónimo a 15 de Setembro de 2004 às 09:41
welcome back mac... ao nosso mundo dos blogs... tive muitas saudades tuas, estou contente que estes de volta. acho muito interessante o tema do aborto mas nao vou comentar, e curioso porque um amigo de españa fez um post sobre o mesmo tema na semana passada.

beijinhos de i've been missing upaula
(http://babkowsky.blogspot.com)
(mailto:pau68virgo@hotmail.com)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 22:33
Peço desculpa se não percebi a mensagem que querias transmitir mas sabes que o tema "Aborto" já é polémico e um tema também muito sério!! david
(http://www.sentadonalua.blogspot.com)
(mailto:odraude22@hotmail.com)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 20:07
Bem, ainda bem que cá não vim ontem senão lá ia contribuir para a polémica. Mas isto é só por burrice minha... porque obviamente tu explicaste-te bastante bem neste post. E portanto, de acordo. Acho mesmo é que andas um bocado "enresinado" (era assim que se dizia no meu tempo...). Bjslique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 16:19
Ufff... às vezes nem sempre o que escrevemos é entendido da forma como o escrevemos. Eu achava que te tinha entendido quando li o post anterior - que não comentei, francamente, porque acho que já disse tudo o que tinha a dizer, embora tu não "estivesses" cá para ler - e este post só veio confirmar isso mesmo.
Independentemente de estar em acordo contigo, gostei da indignação que demonstraste - não pelos comentários mas por toda a situação.
Beijo grandeinconformada
(http://escrevoapenas.blogspot.com)
(mailto:inconformada@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Translate this blog to English

powered by Google