Sábado, 10 de Julho de 2004

Auto do Purgatório.

Tinha que me controlar, esta minha boca ainda podia ser o meu fim, dificilmente poderia explicar aos meus pais uma súbita aparição, fora do período de ferias.

Outra bronca na aula de português e estava completamente acabado e em desgraça.

Decidi comportar-me como um cavalheiro. Por essa altura estávamos a dar em filosofia, o Cepticismo Prático, o Padre Jorge, filosofo de plantão, tentava explicar que esse tema filosófico se centrava num pensamento em que, em toda a proposição cientifica haveria sempre outras contrárias e que portanto deveríamos vive-las sem discuti-las. O que Pírron, 300 anos antes de Cristo se deu ao trabalho de inventar. O Padre Jorge para rematar a sua explicação, contou uma piada de como um dia, esse filosofo, foi encontrado a correr com um cão atrás pelas ruas de Atenas, e um seu discípulo lhe perguntou: “Mestre esse cão não é real, porque fugis diante dele?”, ao que Pírron respondeu: “O cão não, mas os seus dentes sim.”

Depois desta piada e desta explicação passei a comparar o novo companheiro de turma da Isabel como um novo céptico. Ele não se sentia atingido pelas mamas da Isabel, porque para além de usar óculos, a Isabel não estava lá e portanto as mamas dela não lhe faziam levantar a testosterona.

No entanto mantinha escrupulosamente o controlo das mãos do seguidor da nova filosofia debaixo de olho, não fosse o diabo tecê-las. Para além disso era sempre de desconfiar de um tipo que para além de ser demasiado religioso, era um marrão e que só não tinha ido para um seminário por ser filho único.

Estava escrito que o ano não ia acabar bem, embebido pelas palavras de Gil Vicente, recitadas pelo “Submarino”, o Emídio, brincava distraído com a “Bic”, de repente, sem que ninguém suspeitasse, aconteceu, a tampa da caneta, saltou e foi-se alojar no meio dos seios da Isabel. O lerdo do Emídio, olhava desmesuradamente para a tampa que desaparecia naquele rego tentador. A Isabel aproveitando a deixa perguntou: “Porque não a tiras?”. O inocente quase sem olhar tentou tirar a tampa e a Isabel aproveitou para se mexer, fazendo com que os dedos do Emídio lhe tocassem levemente. Nessa altura impulsionado por um grito de revolta, que me saiu da garganta, o “Submarino”, olhou e viu aquela mão naqueles seios enormes.

Fomos expulsos os três, e levados de imediato para a porta do Reitor. Pelo caminho eu ia provocando a Isabel e o Emídio. A Isabel corava, o Emídio benzia-se e o Professor recalcitrava, mandando-me calar e dando azo à minha imaginação com a minha saída extemporânea do Colégio.

Quando chegamos à porta do gabinete do Reitor, Emídio, o céptico, ficou especado, o Professor depois de um minuto de reflexão e resmungando qualquer coisa sobre a impossibilidade de tentar explicar ao Reitor que o santo lá da casa tinha apalpado a Isabel, desapareceu, deixando-nos aos três em frente da porta e isolados naquele vasto corredor.

O Emídio ainda a benzer-se e em transe, foi encontrado pelo Reitor, tentaram um exorcismo mas ele nunca mais recuperou do choque e transformou-se num boémio.

O Professor desistiu de dar aulas.

A Isabel e eu depois de uns grandes marmelanços que começaram logo que saímos dos corredores naquele dia, nunca mais nos encontramos, mas certamente ainda nos havemos de rever naquelas tristes figuras.

publicado por McClaymore às 22:46
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 11 de Julho de 2004 às 22:03
Olá, agora já li tudo completo. mas tu eras levadinho da breca ou isto é ficção? De qualquer forma, está muito divertido. Bjslique
(http://mulher50a60.blogs.sapo.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 11 de Julho de 2004 às 14:52
Comento aqui os dois posts porque fazem parte de um todo. De facto, tu tens mesmo jeito para isto. Fartei-me de rir com as tuas desgraças, a Isabel, a Felizbela... Muito bem caracterizado o ambiente dum colégio de padres. Gostei, né? Bjslique
(http://mulher50a60.blogs.sapo.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 11 de Julho de 2004 às 00:06
Os teus "Autos" são quase perfeitos. Tira-lhe os padres, os pseudo padres e a Isabel (embora tenha conhecido algumas mas nunca me entusiasmei com os seus decotes) e quase parecem as minhas aulas no secundário :-) Beijo de bom domingoinconformada
(http://palavrasapenas.blogs.sapo.pt)
(mailto:inconformada@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Translate this blog to English

powered by Google