Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2006

Mãe, há só uma...

- O menino mais uma vez anda a roubar o leite à “chiba”…

- Mãe não fui eu foi o Zé António.

- Deixe-se de conversas, o meu filho não fazia uma coisa dessas, eu vou fazer queixa à sua Mãezinha. Peça à Laida que lhe tire o leite da cabra…

- Ela não sabe tirar… Sabe melhor assim.

- Olhe que a cabra um dia destes manda-lhe uma marrada…

- Não manda ela, já mandaram os cabritos.

Num gesto repentino afasto a melena e mostro o galo já amarelecido.

- Zé vai buscar azeite. O João tem um grande galo.

- Não é preciso, Mãe, olha vou ao Sr. Moura! Ainda me falta a broa e o presunto para ficar com o pequeno almoço completo.

- Ó menino, isso é mesmo abusar! Todos os dias a mesma coisa o que é que a sua Mãezinha vai dizer, que eu não lhe dou comida?

Nem lhe dei tempo, subi as escadas, passei a ponte para o lado de lá da eira, virei costas e pelo caneiro fui-me alojar na casa do Sr. Moura.

- D. Maria Adelaide, Ó Tia Adelaide…

- Diz Porfírio?

- O fedelho tornou-me a roubar o burro. Esse miúdo é entronchado no Diabo! Se o apanho deixo-lhe o rabo negro.

Enquanto apressadamente se baralhava no sinal da cruz.

-Rais’parta a peste do miúdo. Ó Joaozinho, venha cá…

- Diz Mãe?

Surgi sem me fazer notar nas dobras do vestido.

- Ouça lá o menino tornou a roubar o burro do Porfírio?

- Eu mãe? Eu era lá capaz de fazer uma dessas? Se calhar foram os ciganos! Eu nunca roubei o burro ao Porfírio.

- Atão não? Da última vez até o trouxe todo molhado! O pobre estava a tiritar de frio. Mais, doutra que eu saiba, o Zé Cigano é que se veio queixar que você lhe tinha roubado o cavalo…

- Achado não é roubado! Andavas tu a roubar cerejas no lameiro do Domingos e deixaste o animal sozinho! Eu pensei que se tinha perdido. Para além disso o animal até estava a precisar de um banho! Já agora quando é que tu tomas um? E o Zé Cigano estava na venda do Manel e que eu me lembre foi para casa com uma bebedeira e só deu falta dele no dia seguinte…

O Porfírio estrebuchava de raiva. Estava a ver que lhe dava uma coisinha por ali.

- Mas o menino roubou o burro ou não?

- Mãe já te disse, que não, esse mentiroso já foi ver à loja se lá tem o animal?

Começou a correr caneiro abaixo, dobrou a esquina e passado minutos voltou com um sorriso nos lábios.

- Desculpe a chatice Tia Adelaide, mas eu tinha a certeza que o burro tava no lameiro. Para além disso os burros não trancam portas.

Sacana que não ias ficar sem resposta.

- Tás a ver ó Porfírio tens um burro mais inteligente do que tu!

- O menino esteja calado!

- Ouça lá ó Tia Adelaide, mas que idade tem o mafarrico?

- Tem cinco Senhor – e numa prece com os olhos virados para o Céu – tem cinco! Vê lá se ele aos cinco já nos põe os cabelos em pé daqui a um ou dois como será?

- Eu cá não sei Mãe, mas pelo andar da carruagem, o Porfírio daqui a dois anos já não tem cabelos, a puxá-los dessa maneira…

publicado por McClaymore às 15:24
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds