Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2004

“Cuilibet in arte sua perito est credendum.”

latim "Deve-se dar crédito a quem é perito em sua arte. Ouvir os especialistas na matéria."

Os exemplos vêm de cima, o decano da política portuguesa promoveu mais uma vez a economia. Convidou 1999 amigos para uma jantarada, que botou discurso e tudo a troco de 55 palhaços (leia-se euros). A Associação de Actividades Hoteleiras e Afins agradece. Aquilo parecia uma reunião dos amigos da Ordem da Jarreteira e da Maçonaria. Ele tinha prometido que se retirava da política quando acabasse o seu mandato de Presidente da República. Deu o dito por não dito e lá foi buscar mais uns trocos à União para a sua “parca” reforma. Agora prometeu que só mandava uns bitaites quando lhe apetecesse. O homem é republicano e ateu, mas não é parvo. A entrada ao som do hino dos congressos socialistas, não pronuncia nada de bom. O discurso do “Basta”, está gasto, serviu apenas para mais uma vez mandar recados, deveria trocar o “a” pelo “e” e teríamos “Besta”, alguns dos presentes enfiariam o garruço. Os elogios foram muitos, veja lá se não o convidam outra vez para se recandidatar. Dois dos convidados não apareceram, o General Ramalho Eanes e o Prof. Cavaco Silva, pelo menos salva-se a honra do convento, alguém que mantêm a sua postura ao longo dos tempos é coisa rara nos tempos que correm.

Já agora aproveito para fazer um elogio ao camarada com nome de guerra índio, um pouco nervoso, directo, mesmo não gostando da sua linha política, gostei do seu discurso terra a terra, mudou a camisa aberta, pelo fato e pela gravata, fica-lhe bem.

Aguardo pacientemente pelas explicações do Presidente da República. Já tinha previsto esta crise num anterior “post” de 10 de Julho deste ano, tem o título de: “Carta aberta ao Exmo. Sr. Presidente da República”, nessa altura tomou a decisão de nos impingir um governo, após consultar o dito Conselho de Estado, agora tomou a sua célere decisão sem o consultar. Em que é que ficamos? Para quê a audição dos Conselheiros, para se justificar ao País? E nós para é que servimos? O tom paternalista do Salazar e do Caetano continuam a fazer escola neste cantinho. Até quando?

publicado por McClaymore às 17:09
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 10 de Dezembro de 2004 às 17:35
Boas tardes.
Fiz uma visita ao teu blog, fica a promessa de voltar. Quando puderes, visita o meu. Cumprimentos
e já agora Feliz Natal.
http://opiniaoblog.blogs.sapo.ptP.Santos
</a>
(mailto:Skynet36@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Translate this blog to English

powered by Google