Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2004

"Razões de uma dissolução, razões para uma demissão..."

Deixei correr a tinta nos jornais, os rasgos de absoluta lucidez que tentaram explicar de todo a atitude do nosso Presidente. Eu não gostei deste 4 meses de desgoverno, mas dificilmente apoio a decisão dele.

 

As razões apontadas prendem-se com:

 

- Os problemas na colocação dos professores.

 

- A entrevista do Prof. Cavaco Silva.

 

- Os sinais dos empresários portugueses.

 

- A indigitação de um madeirense para o Governo da República (este Jardim mata-me).

 

- O episódio Prof. Marcelo.

 

- A carta de demissão do amante do tiro aos pombos.

 

- A demissão do amante do tiro aos pombos.

 

Acontece que dentro deste enquadramento, ainda não vi razão nenhuma a suportar a decisão do nosso Presidente. No tempo do Eng. Guterres demitiu-se um ministro em escândalo e ainda não tinham passado meia dúzia de meses de Governo, houve outro que nem chegou a tomar posse. A lavagem de roupa suja com o Eng. João Cravinho e a Dra. Manuela Arcanjo foi quanta se quis, o Presidente à data era o mesmo. Nenhum destes Governos era suportado por uma maioria. Não vi sinais de Belém a acenarem com uma qualquer dissolução.

Esse Presidente ainda pensa sozinho e a decisão de ordenar a dissolução da Assembleia da República, com uma maioria Parlamentar em exercício, não consta dos manuais de qualquer democracia, e foi só dele, pelo que o compasso de espera a que ele nos quer fazer crer só será completado com a reunião do Conselho de Estado, não pega. De duas, uma, fê-lo com plena consciência ou fê-lo por motivos menos claros. Nesse caso em concreto, se tal se vier a revelar, não fico com apreço pela atitude do Presidente, pelo contrário cola-o a uma imagem de vulgar politiquice a que deveria estar completamente alheio.

Bastava que o Presidente dissesse aos portugueses que não achou nenhuma piada ao tratamento que quiseram dar à demissão do Ministro Chaves, à sua substituição apressada, e a um Primeiro Ministro que não cancela uma viagem à Turquia num momento grave e de completo desnorteio do País, sendo essa atitude de uma irresponsabilidade tal, que demonstrava apenas uma vontade de cumprir calendário, não de cumprir um mandato.

Esta era a única razão válida que eu esperaria que ele me apresentasse para esta extemporânea dissolução, se outra for, espero bem que não, deixei de o ver como garante da nossa democracia, mas apenas como um dos filiados políticos de um vulgar partido.

Aconselho nesse caso e se tiver alguma réstia de dignidade, a de tomar a difícil decisão de se demitir.

O que me preocupa aqui não é tanto mais a posição pouco responsável do Primeiro Ministro, mas a pouca consistência da sua demissão. Para além disso por incrível que parece é um Presidente que demite, mas que exige ao mesmo tempo que esse mesmo governo demitido, leve a aprovação um Orçamento para outro qualquer governo, a desculpa que estão ainda em exercício é falsa. Não está aqui em causa se é um bom ou mau Orçamento. Não está em causa se vai ser o mesmo ou os mesmos partidos a governarem o País futuramente, o que está em causa é o de exigir o Presidente da República uma responsabilidade sobre um acto que está nitidamente ferido de incapacidade de ser posto em prática.

Aqui quem é o irresponsável. Julgo que ninguém. Somos todos nós que ano após ano elegemos uma data de tipos que põem em prática exercícios de governação completamente de terceiro mundo e baseados na premissa efectiva que nunca nos revoltaremos.

publicado por McClaymore às 00:12
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds