Segunda-feira, 12 de Julho de 2004

Desventuras.

Estava decidido, pela primeira vez a trupe dos quatro ia atacar. Os preparativos tinham que ser feitos com cuidado. Os bancos e as cadeiras que tínhamos que surripiar teriam que ser cuidadosamente transportadas e colocados sem que o alvo suspeitasse de nada. Treinávamos as mentiras mais inverosímeis, para que o planeado corresse na perfeição. Juramos ainda sobre uma revista do Tio Patinhas que de modo algum haveria traições e que ninguém tentaria tomar o lugar de ninguém. Previmos o nosso ataque depois do lanche. Ficávamos com cadeiras disponíveis, e para além disso evitávamos que fossemos apanhados com eventuais atrasos a refeições.

Claro que nada disto se tinha passado se nunca tivéssemos travado conhecimento com uma famosa autora, muito em voga na altura: Enid Blyton e as aventuras que descrevia nos seus livros dos cinco.

Após o lanche e com a desculpa que tinha que ir à casa de banho lavar as mãos, a Paula, a da minha idade, abriu silenciosamente a janela da casa de banho. Depois entrei eu para verificar se o trabalho da Paula estava em boas condições. Com o corrupio de vezes que fomos à casa de banho dava a qualquer adulto a oportunidade de notar que estávamos a preparar alguma, qualquer pessoa desconfia de miúdos com seis ou sete anos de idade a lavarem as mãos tantas vezes, mas a sorte protege os audazes.

Sub-repticiamente, lá fomos deslocando as cadeiras do seu lugar habitual para as traseiras que davam para a janela, se alguém nos apanhasse, já tínhamos delineado uma desculpa, íamos ficar ali a descansar um bocado. Uma desculpa como qualquer outra e perfeitamente idiota para que um adulto acreditasse nela.

Quando nos preparávamos para montar o nosso posto de observação, como já devem ter percebido, a casa de banho, mais propriamente a casa de banho das criadas, e já todos instaladinhos nas cadeiras, apareceu o Rui, o querubim da família. Não tínhamos contado com ele, nem com ele nem com o berreiro que ele fez para subir para uma cadeira e observar também pela janela onde nós estávamos a espreitar. Após uns minutos de conversação e como o nosso alvo ainda não tinha aparecido, deixamos que o fedelho ficasse sozinho a tomar conta das operações, na esperança que ele nos avisasse se a Marília, a empregada, lá entrasse.

Quando nos preparávamos para desistir, vimos o Rui completamente absorto e a exclamar altíssimo:

- Grande cu…

O resto da história é difícil de contar, e os castigos exemplares que recebemos também. O Rui, o único que teve direito, aquela visão fantástica, nunca conseguiu mesmo depois várias torturas e alguma persuasão, dar uma ideia do tamanho daquele rabo e depois dos avisos que recebemos sobre a nossa aproximação àquela janela, desistimos de olhar outra vez através dela, ou mesmo de ver o cu da Marília mesmo em sonhos. É verdade durante muito tempo foi a grande arma do Rui, ele tinha sido o único que tinha visto o rabo da Marília, e nós tínhamos pago por isso.

 

Para a Isabel, a Paula, a Teresa e o sortudo do Rui.

publicado por McClaymore às 22:55
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Anónimo a 15 de Julho de 2004 às 00:13
Tu eras mesmo uma peste ! Algo me diz que ainda és... :-) As tuas recordações são perfeitas... Beijoinconformada
(http://palavrasapenas.blogs.sapo.pt)
(mailto:inconformada@sapo.pt)
De Anónimo a 13 de Julho de 2004 às 18:06
Há experiência assim na vida.... são os utros que realmente as disfrutam! ehehhe
Gostei do teu blog. Obrigado pela visita ao meu.
Se estiveres de acordo vou-te adicionar à minha lista de blogues.
Abraçosspanishguittar
(http://spanishguittar.weblogger.terra.com.br/)
(mailto:silvaone71@hotmail.com)
De Anónimo a 13 de Julho de 2004 às 17:02
As tuas memórias de infância, reais ou ficcionadas, são na verdade uma delícia. Dá gosto vir aqui ler-te. Bjslique
(http://mulher50a60.blogs.sapo.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nova Casa…

. Nos bastidores da Guerra ...

. "Nada de novo na frente o...

. "Ladrão que rouba a ladrã...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Mãe, há só uma...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

. Crónicas de um Rei sem tr...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Translate this blog to English

powered by Google